Bayer Saúde Animal / Terapêuticos / Equinos / Produtos / Rompum

Terapêuticos

Flunamine Rompun

ROMPUN®

 

Composição

Cloridrato de xilazina 2 g
Excipiente q.s.p. 100 mL

Farmacologia e toxicologia:

Rompun® produz nos animais um estado de adormecimento com um elevado grau de analgesia, cuja profundidade depende da dose empregada e que, após a administração de doses elevadas, não pode ser, em geral, interrompida por estímulos exteriores. O efeito relaxante muscular central provoca um relaxamento muscular generalizado, que completa o estado de analgesia e de adormecimento. Após a administração de Rompun®, não se observam fases de excitação com o aumento ou a diminuição da concentração da substância ativa. Durante a evolução do efeito de Rompun®, dá-se uma diminuição dos movimentos respiratórios, tal como no estado de adormecimento natural. Ao mesmo tempo, observa-se uma ligeira bradicardia. Rompun® provoca, além disso, nos bovinos, numa dose de 0,25 mg/kg, um abaixamento moderado e passageiro da pressão arterial sistólica e diastólica. Rompun® provoca ocasionalmente uma expulsão de fezes pastosas a líquidas, 12 a 16 horas após a sua administração, normalizando-se, na maior parte das vezes, a consistência após algumas horas. A temperatura aumenta freqüentemente de forma passageira. Estes fenômenos, os ruídos respiratórios aumentados e os mugidos que podem surgir ocasionalmente, carecem de importância. Rompun® não altera o quadro hemático nem a velocidade de coagulação do sangue e pode provocar nos animais alterações passageiras na condutibilidade do músculo cardíaco, evidenciadas por bloqueio atrioventricular parcial. Em gatos pode haver aumento da diurese. Estímulos sonoros altos podem provocar reações nos animais medicados com Rompun®, portanto se recomenda uma boa contenção dos animais, o que evitará eventuais reações de defesa. Em cães e gatos, principalmente, quando se usa a via intravenosa, pode haver ocorrência de êmese. Esta geralmente aparece de uma só vez. Tal fato pode até ser desejável, normalmente em em cirurgias de emergência, em que é impossível submeter o animal a jejum prévio. Cães e gatos toleram doses de até 10 mg/kg de peso vivo (3 vezes a dose normal) todavia podem ocorrer tremores musculares, vômitos e longa sedação.

Efeitos:

Devido às suas propriedades, Rompun® pode ser aplicado, nos animais, para acalmar pacientes rebeldes e em intervenções cirúrgicas. Conforme as doses administradas, é possível obter: sedação com ligeiro relaxamento muscular e analgesia moderada, tônus muscular nitidamente diminuído, conservando-se, no entanto, o animal de pé; sedação e analgesia intensas e relaxamento muscular muito acentuado; o animal nem sempre pode manter-se de pé; forte sedação, analgesia e relaxamento muscular quase completo, não se conservando, regra geral, o animal de pé. O efeito surge com plena intensidade aproximadamente 5 a 15 minutos após a injeção. Pode reconhecer-se pelos seguintes sintomas: abaixamento da cabeça e das pálpebras superiores, salivação; com doses mais elevadas, o animal deita-se e surge um estado semelhante ao adormecimento. A intensidade e a duração da sedação dependem da dose e mantém-se nitidamente durante várias horas após doses altas. O efeito anestésico é suficiente para intervenções dolorosas com duração de aproximadamente 30 a 40 minutos. O relaxamento muito rápido dos músculos cria boas condições para exames manuais de diversos tipos e produz um campo operatório isento de espasmos. Diminui rapidamente o tônus da musculatura do intestino grosso, mesmo com doses baixas, impede-se assim a expulsão das fezes, o que é particularmente útil nos casos de tratamento dos cascos e da vagina. Facilita-se assim grandemente o exame retal.

Equinos:

Aplicação e posologia:

 

Rompun® é aplicado por via endovenosa em doses de 5 mL a 8 mL/100 kg de peso vivo. Doses superiores a 2 mg/kg, ou seja, 10 mL/ 100 kg, podem provocar às vezes queda do animal e contrações tônico-clônicas passageiras, sendo, portanto, contra-indicadas.

 

 

 

Indicações:

 

Em eqüinos a droga age apenas como sedativo e analgésico, permanecendo geralmente o animal em pé após sua aplicação. Promove forte sedação e marcado relaxamento muscular. A analgesia permite intervenções cirúrgicas rápidas. Para intervenções muito dolorosas é recomendável associar a Rompun® uma anestesia local ou geral.

 

Exemplos:

Sedação para transporte, pesagem, radiografia, tratamento de cascos, para potencializar anestesia geral com cloral ou barbitúricos, para facilitar palpação retal e tranqüilizar as éguas para a monta natural.

Bovinos:

Aplicação e Posologia:

 

Rompun® é injetado por via intramuscular. Rompun® é administrado em doses de 0,25 mL a 1,5 mL/100 kg de peso vivo, conforme o tipo de efeito desejado.

Dose mg/kg mL/50 kg mL/100 kg mL/500 kg de peso vivo
I 0,05 0,12 0,25 1,20
II 0,10 0,25 0,50 2,50
III 0,20 0,50 1,00 5,00
IV 0,30 0,75 1,50 7,50

Em algumas indicações, a dose necessária está sujeita a oscilações individuais. Caso seja necessário, é possível intensificar ou prolongar o efeito do Rompun®, por meio de uma segunda injeção, aproximadamente 10 a 15 ou 30 minutos depois da primeira administração. No caso de operações muito dolorosas e profundas, por exemplo amputação de cascos e laparotomia, será vantajoso associar o Rompun® a uma anestesia local ou geral. Com a administração de Rompun® a aplicação destes tipos de anestesias torna-se mais fácil. Pode-se aumentar a dose para 1,5 mL/100 kg em casos excepcionais, em operações muito dolorosas ou morosas e ainda, para se obter um relaxamento muscular mais duradouro e particularmente intenso. Essa dose pode ser usada também para aplicação em animais de criação extensiva, não acostumados ao homem.

Indicações:

Como os graus do efeito, e assim as possibilidades de aplicação do preparado dependem da dose, podem agrupar-se as indicações da seguinte maneira:

 

Dose I (0,25 mL/100 kg)

Nítida sedação. A analgesia basta para pequenas intervenções como, por exemplo, para efetivação de uma anestesia geral, sem movimentos de defesa que possam perturbar o processo.

Exemplos: Sedação para o carregamento, a pesagem, radiografia, extração de agrafes; facilitar a realização de anestesias locais e outras, rumenotomia, laparotomia, cesariana, redução do prolapso do útero e da torção uterina, facilitação de embriotomia, tratamento intramamário, mudança de pensos.

 

Dose II (0,5 mL/100 kg)

Forte sedação. Analgesia média para pequenas intervenções cirúrgicas, especialmente nos tetos. Quando o animal se deita, dificultando o trabalho do veterináriio, pode ser mais facilmente levantado por meio de choque elétrico a pilha.

Exemplos: Desobstrução do canal do teto, suturas superficiais de feridas dos tetos, tratamento de cascos (tumor de Rusterholz) abertura de abcessos, exames na cavidade bucal, obstrução do esôfago; colocação de argola nas narinas; lavagens do prepúcio.

 

Dose III (1 mL/100 kg)

Secação muito intensa, analgesia ou anestesia e relaxamento muscular para intervenções cirúrgicas mais importantes; ocasionalmente pode ser apropriada uma anestesia complementar de infiltração ou geral. Geralmente o animal não se conserva de pé.

Exemplos: Amputação dos chifres; tratamento de cascos com o animal deitado, amputação dos cascos, operação no tendão flexor profundo e da articulação dos cascos, operação cesariana em decúbito, eliminação das contrações pós-parto, suturas dos tetos, operação de úbere, amputações de teto ou de tetos supranumerários, castrações, esterilizações de touros, exames e tratamentos do pênis; marcação cutânea a ferro; punções, colocação de gesso; extirpação do bulbo ocular; extração de dentes.

 

Dose IV (1,5 mL/100 kg)

Sedação muito intensa, anestesia e relaxamento muscular duradouro e intenso para intervenções. O animal não se conserva de pé.

 

 

Medidas de precaução:

Deve eliminar-se, por meio de medidas adequadas, a possível timpania que se pode dar eventualmente em todos os ruminantes em decúbito (por exemplo, colocar o animal para a posição deitada normal, ou seja, esterno-abdominal). Além disso, a partir da dose III, é recomendável observar um jejum de algumas horas. Quando se procede a intervenções com o animal em decúbito lateral ou dorsal, recomenda-se deitar o animal com a cabeça e o pescoço baixos, para evitar a entrada da saliva ou suco gástrico nos pulmões. Além disso, deve-se considerar que o reflexo da deglutição está diminuído durante o tempo do efeito mais acentuado. Durante o último mês de prenhez, não se deve administrar Rompun®,por poder provocar um parto prematuro. Após a operação, deixar o animal à sombra, para evitar excessiva desidratação.

Caninos e Felinos:

Uso isolado:

Rompun® pode ser aplicado por via subcutânea, intramuscular ou endovenosa, na dosagem de 3 mg/kg, ou seja, 1,5 mL/10 kg de peso vivo. Nesta dosagem, é possível executar suturas, extrações dentárias, limpeza de tártaros, retirada de pontos, coleta de sangue e urina, aplicação de gesso, tala ou Thomas, bem como exames radiológicos, limpeza de ouvidos (otite), limpeza de feridas cirúrgicas, raspados de pele e outras intervenções com manifestações dolorosas. Pode ocorrer emese, principalmente quando se usa a via endovenosa (vide farmacologia e toxicologia). Esta dosagem produz sedação que normalmente se mantém por 1 a 2 horas e analgesia 15 a 30 minutos.

 

Associado com outros produtos:

1. Com anestésicos locais: Rompun® pode ser associado com anestésicos locais, permitindo intervenções cirúrgicas mais profundas bem como qualquer cirurgia em animais idosos ou impossibilitados de receber barbitúricos.

2. Com compostos barbitúricos (anestesia geral): Rompun® pode ser usado como pré-anestésico, na dosagem de 0,5 a 1 mL por via intramuscular, associado a barbitúricos com vantagem de reduzir de 50% a 70% as doses desses produtos.

3. Com cloridrato de cetamina: Na dosagem de 0,1 mL/kg de Rompun® e de 6 a 10 mg de cloridrato de cetamina/kg de peso vivo.

 

 

Cuidados:

Em cães, gatos e eqüinos, nos casos de excessiva depressão respiratória, após o uso de Rompun®, recomenda-se a aplicação de analépticos respiratórios. Nesses casos, os melhores resultados foram obtidos com cloridrato de doxapram por via intravenosa. Para reversão dos efeitos de Rompun®, recomenda-se o uso de drogas antagonistas, tais como atipamezole, ioimbina,

tolazolina por via intravenosa. Rompun® deve ser usado com cautela em animais com severa depressão respiratória, graves lesões cardíacas, hepáticas ou renais, choques endotóxicos e traumáticos e sob severas condições de estresse (calor ou frio excessivo, fadiga, etc.).

A ocorrência de eventuais bradicardias ou bloqueios atrioventriculares parciais, embora careça de importância clínica, pode ser evitada com doses padrão de atropina, antes ou logo após o uso de Rompun®.

O uso de Rompun® em associação com barbitúricos deve ser feito com cautela para evitar grande somatória de efeitos depressores sobre o sistema nervoso central. Não se deve associar Rompun® com outros tranqüilizantes.

 

 

Nota:

O armazenamento de Rompun® em ambientes quentes pode, ocasionalmente, provocar pequenas precipitações nas paredes do frasco, que não interferem na eficiência do produto.

 

Conservar em lugar fresco, ao abrigo da luz solar direta e fora do alcance de crianças e animais domésticos.

 

Venda sob prescrição e aplicação sob orientação do Médico Veterinário.

 

 

 

Prazo de validade:

 

3 (três) anos após a data de fabricação

 

Apresentação:

 Frascos contendo 10 mL.

   

Rompun  Frasco-ampola de 10mL

 

 >>Fazer download da bula  >>Fazer download da FISPQ/MSDS

Tamanho da Fonte
- 1 2 3 + Tamanho da Fonte

clique para ajustar

Ferramentas
Procura

 
http://www.bayersaudeanimal.com.br/scripts/pages/pt/produtos/equinos/teraputicos/rompum.php Copyright © Bayer HealthCare